Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Aqui você saberá, quando, onde e quem, participou de nossas aventuras e trilhas. Sempre a procura de novos amigos e companheiros com disposição para aventuras e curtir a natureza. Participem do nosso Blog. SEJAM BEM VINDOS!

27 setembro 2015

Trilha da Pedra Vermelha – Mairiporã

No último final de semana, reunimos alguns amigos para explorar uma nova trilha. A palavra foi essa mesmo, explorar.

Saímos com o básico de informação sobre a localização para nossa expedição na região de Mairiporã. Como tudo era exploração, claro que erramos o caminho para chegar à Pedra. Depois de uma boa olhada no mapa percebemos que estávamos no lugar errado, rimos e voltamos o caminho percorrido até a rua certa que levava ao nosso destino.

Depois de alguns desencontros, enfim, estacionamos nossos carros em frente ao Bar do Japonês e de lá seguimos a pé pela estrada em busca da trilha.

Entramos por uma trilha às margens da estrada de terra e seguimos em frente passando por um pasto cheio de gado, pulamos um pequeno córrego com uma única madeira improvisando uma pinguela e continuamos em frente, até que a trilha simplesmente sumiu!


Procuramos por uma picada na mata e achamos outra trilha. Essa margeava o córrego que pulamos e mais à frente a trilha sumiu de novo. O Rafael viu uma trilha do outro lado do córrego e lá fomos nós para o outro lado, mas a trilha não levava a lugar algum então tornamos a pular o córrego para procurar a trilha ou outra picada que indicasse a subida para a Pedra.

Não demorou muito para encontrarmos uma trilha com canos de captação de água. Subimos acompanhando os canos. Quando digo subimos, digo subimos mesmo! Era quase uma parede de tão inclinada, mas ainda bem que era curta e não passou de 300 metros. Depois a subida acalma e nivela.

Parece ironia, mas quando chegamos ao topo da subida vimos uma estrada cimentada ao lado da trilha onde dava para subir com mais facilidade.

Continuando em frente passamos por algumas nascentes e chácaras origem dos canos de captação de água. Logo em seguida subimos uma estrada à direita até chegarmos numa gruta de pedra.

Aquele amontoado de pedras de todos os tipos e tamanhos chega a impressionar, algumas pessoas até acampam por lá pelo que deu para perceber. Tiramos algumas fotos e passamos por baixo das pedras para acessar a trilha do outro lado da gruta e seguir em frente.


Na trilha, seguimos subindo a montanha e mais uma vez pegamos outro trecho bem íngreme até alcançar o cume da Pedra Vermelha. 

Enfim, lá do alto a visão é de encher os olhos. Vários tons de verde para todos os lados. Olhando para o lado direito da pedra dá para avistar parte da cidade de Mairiporã quebrando uma parte daquele cinturão verde para um tom mais acinzentado característico das cidades.

Ficamos algumas horas lá em cima conversando e rindo.

Na volta descemos a trilha até a gruta e depois resolvemos voltar pela estrada cimentada para encurtar o caminho na volta.

Paramos novamente no Bar do Japonês, recarregamos nossas energias e saímos à procura de uma cachoeira.

E mais uma vez, erramos o caminho, entramos em um sítio no meio do nada e o caseiro nos indicou o caminho certo para cachoeira.

Depois de mais alguns quilômetros rodando por estradas de terra chegamos ao local indicado, descemos mais uma trilha curta até a tal cachoeira. É claro que depois de tudo que passamos merecíamos um banho refrescante.

Posso dizer que foi um dia muito especial, valeu cada minuto tentando achar o caminho na ida e na volta.

Valeu pessoal! Obrigado pela companhia mais uma vez!

Rafael! Quando tiver outras explorações para fazer pode chamar que eu vou!

Até a próxima aventura!

5 comentários:

  1. Oi pretendo ir de ônibus saberia me informar o nome da rua? Mais próxima

    ResponderExcluir
  2. Olha , estamos nos programando de ir até a pedra , a trilha tem alguma placa indicando ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem nenhuma indicação ou placa, é um caminho que poucas pessoas conhecem.

      Excluir
  3. Na estrada da pedra vermelha , tem algum ponde de referência ?

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente não tem referência além da própria pedra mesmo.

    ResponderExcluir